Sindrome do Pânico

VOCÊ SOFRE DA SÍNDROME DO PÂNICO?*
Dr. Cyro Masci 

artigo gentilmente cedido para cópia pelo Dr. Cyro Masci
http://www.masci.com.br
 

EMAIL:cyro@masci.com.br

O que é pânico?

Como o pânico é formado?

Quais são os sintomas do pânico?

Crise de pânico não é sintoma de pânico!

Complicações Tratamento Respiração
O QUE É PÂNICO?

Conta a lenda que o deus mitológico Hermes teve um filho com Penélope. A criança ao nascer era tão feia que sua mãe saiu correndo! Essa criança recebeu o nome de Pã, e tinha o estranho hábito de aparecer subitamente para os viajantes, que em geral tinham uma reação de grande medo, de pânico.
Vem dessa lenda o nome da síndrome do pânico. Hoje em dia, essa síndrome é o nome médico para uma reação de grande medo, em geral com sintomas extremamente desagradáveis, que aparecem sem nenhuma razão aparente.
COMO O PÂNICO É FORMADO?
Para entender como é formada a síndrome do Pânico, tente imaginar que a sua cabeça é como uma casa que tem um alarme contra ladrões. Esse alarme é muito útil para situações de emergência. No entanto, para certas pessoas, esse alarme toca sem mais essa nem aquela, sem nenhum motivo aparente. Quando esse alarme toca, damos o nome de Crise de Pânico.
QUAIS SÃO OS SINTOMAS DO PÂNICO?

Bem, na verdade são sensações bastante fortes de medo, em geral acompanhados de pelo menos quatro dos seguintes sintomas:
falta de ar, palpitações, dor ou desconforto no peito, sensação de sufocamento ou afogamento, tontura ou vertigem, sensação de falta de realidade, formigamento, ondas de calor ou de frio, sudorese, sensação de desmaio, tremores ou sacudidelas, medo de morrer ou de enlouquecer ou de perder o controle.

CRISE DE PÂNICO NÃO É SÍNDROME DE PÂNICO!
É importante notar que esses quatro desses sintomas sugerem o diagnóstico de crise de pânico. Para que haja a síndrome do pânico, é necessário que esse medo e esses sintomas ocorram de forma inesperada, que sejam recorrentes, e que não sejam precipitados por alguma situação ou acontecimento.

COMPLICAÇÕES

Para piorar mais ainda a situação, é comum com as pessoas que tem pânico passarem a ter medo dos locais aonde a crise aconteceu. Desse modo, a pessoa tem uma crise dentro de um carro, e passa a não querer mais dirigir. Tem outra crise num lugar fechado, e passa a não querer mais entrar em shopping center ou em bancos. E assim por diante. Para tentar diminuir esse medo, acaba sempre procurando lugares em que a saída seja fácil, e também andar sempre acompanhada. Infelizmente essas medidas não são suficientes, e é necessário tratamento especializado.
TRATAMENTO

A boa notícia fica por conta dos tratamentos atuais. Existe medicamentos capazes de efetivamente interromperem essas crises. São medicações que agem no cérebro, regularizando as áreas cerebrais aonde essas crises são desencadeadas. Não são, portanto, simples “calmantes”, mas verdadeiros regularizadores do funcionamento cerebral.

O tratamento em geral deve ser seguido por uma terapia do tipo comportamental para acabar com outro problema de quem tem pânico. Trata-se do medo das crises de medo! Em geral quem tem pânico fica condicionado a achar que vai morrer quando a crise começa. Resultado: quando sente pequenos sintomas que lembram a crise, já são tomadas por esse medo, o que acaba resultando numa crise completa de pânico.

Esse tipo de terapia é bastante específico. Em outras palavras não é qualquer tipo de terapia que funciona com o pânico e algumas podem até mesmo piorar o quadro. Mas quando a terapia comportamental é aplicada corretamente, e em conjunto com a medicação adequada, consegue-se melhora acentuada ou ausência total dos sintomas em 80 % das pessoas, num prazo bastante rápido.

Uma medida fundamental no pânico é saber respirar: durante a crise a maioria das pessoas que sofre desse transtorno respira de modo superficial, o que acaba por mudar a química do sangue, que por sua vez é interpretado pelo cérebro como uma situação de emergência, gerando mais e mais crises de pânico. Para saber como respirar corretamente, clique aqui. Claro que você deve praticar esse tipo de respiração antes das crises, para que na hora “h” possa utilizá-la.

voltar


VOCÊ SOFRE DE ANSIEDADE GENERALIZADA? Dr. Cyro Masci

artigo gentilmente cedido para cópia pelo Dr. Cyro Masci
URL: http://www.masci.com.br
EMAIL:cyromasci@.com.br

O que é ansiedade?

Como a ansiedade se forma?

Teste sua ansiedade Interpretação do teste

O QUE É ANSIEDADE?A ansiedade é o sentimento que acompanha um sentido geral de perigo, ela nos adverte de que há algo há ser temido no futuro. Ao mesmo tempo, a ansiedade alimenta o planejamento de ações, buscando saídas, alternativas e ensaiando ações de enfrentamento ou fuga do perigo. Sua avaliação depende de sua proporcionalidade ao perigo que é apresentado e também em que grau provoca a paralisação da pessoa frente ao perigo. A boa ansiedade é proporcional às dificuldades, e promove o enfrentamento saudável. A má ansiedade é desproporcional à dificuldade e/ou im-produtiva diante das dificuldades.

COMO A ANSIEDADE SE FORMA?A maioria das pessoas tem uma grande atração por uma interpretação catastrófica da realidade, por ter esse sentido geral de perigo. Provavelmente isso se deva à jornada evolutiva (no sentido biológico) do homem. Durante o período pleistoceno, a idade da pedra, a humanidade teve que enfrentar perigos reais e imediatos no seu dia-a-dia. Inundações, ataque de feras, risco de vida a cada momento eram realidades cotidianas, e as pessoas que estavam mais alertas, que tendiam a ver perigo a cada momento tinham maiores chances de sobrevivência. Essa é nossa herança: antecipar-se, preocupar-se permanentemente como se nossa integridade física, nossa sobrevivência, dependesse desse estado de constante alerta.
TESTE SUA ANSIEDADE:

O questionário abaixo pode auxiliá-lo. Para cada pergunta, responda com V (verdadeiro) ou F (falso):

1. Nos últimos seis meses, pelo menos, venho experimentando preocupações e ansiedades excessivas em diversas atividades (como atividade profissional ou doméstica)

2. Estou tendo dificuldade em controlar essa preocupação.

3. Essa preocupação é acompanhada de 3 ou mais dos sintomas abaixo:

inquietação ou sensação de estar com “os nervos à flor da pele.” cansaço, fadiga. dificuldade em concentrar-se, sensações de “branco” na cabeça. irritabilidade maior que o habitual. tensão muscular (ombros, nuca, costas, braços, etc.) dificuldades com o sono (dificuldade em adormecer, ou manter o sono, ou sono “agitado”, ou insatisfatório)
4. A preocupação, a ansiedade ou os sintomas físicos estão causando sofrimento ou prejuízo em minha vida pessoal (social, profissional, etc.)

INTERPRETAÇÃO DO TESTE:Se você respondeu Verdadeiro a essas afirmações, convém procurar um médico. Esses sintomas definem o diagnóstico de Transtorno de Ansiedade Generalizada, e esse transtorno pode ser causado por uma série de fatores, inclusive doenças orgânicas.

voltar

DEPRESSÃO NA VISÃO ESPÍRITA

Dr. Jaider Rodrigues de Paula – Psiquiatra/ AMEMG
http://netpage.estaminas.com.br/amemg

CONCEITO:

É um transtorno do humor, com baixa da atividade geral , levando a sofrimento íntimo profundo , desesperança , falta de fé em Deus , em si próprio e na vida.

ETIOPATOGENIA:

A ciência médica ainda não tem , claramente,o conhecimento da origem da depressão. Fala-se em distúrbios dos neurotransmissores a nível do sistema nervoso central , de herança genética , de pressão social , frustrações, perdas precoces importantes e outras mais; porém , embora todas as possibilidades acima sejam verdadeiras como desencadeadoras , não explicam porque alguns individuos, sofrendo as mesmas contingências, não desenvolvem um quadro depressivo. Todas as possibilidades acima são efeitos e não causas. A causa da depressão vige na alma e não somente no corpo físico.O conflito do deprimido remonta a causas pretéritas , provavelmente longínguas, com repercussão no presente. O cerne da questão liga-se a não identificação do amor divino e da paternidade do Criador. Por isso a rebeldia tão comum no deprimido. Revolta-se contra as leis desdenha a própria vida , não concordando em ter sido criado , vai com facilidade ao suicídio : dez a quinze por cento dos deprimidos suicidará . Num ato de rebeldia extrema tentam devolver a própria vida ao Criador. Adão e Eva não representam um simples mito , mas sim a dura trajetória da humanidade.

O deprimido apresenta duas caracteristicas: egoísmo e agressividade. Egoísmo por crer que sua dor é a maior do mundo e agressividade voltada principalmente contra sí próprio. Não pensam que seus atos irão fazer sofrer os que vão ficar.

A essência da existência é o elo Criador-criatura , Pai-filho . A ruptura deste elo pelo deprimido suicida é extremamente sofrida , pois , talvez , repete o desligamento havido outrora , quando da separação Pai e filho. Por isso as perdas precoces falam alto ao coração do deprimido. Entendemos que a primeira queda forma um clichê mental na vida do espírito , de modo que haveria uma tendência neurótica à repetição do mesmo erro durante as futuras reencarnações.

Estão ínsitas no perispirito as matrizes da depressão. O corpo físico reflete o corpo espiritual. Se o reencarnante tráz insculpido no seu psicossoma as matrizes da depressão , elas influenciarão ativamente na seleção genética dos elementos que poderão viabilizá-la na vida física , caso o interessado deseje. Doenças são efeitos e não causas. Assim podemos ,de maneira geral, dizer que a não identificação do Amor Divino e do Pai , leva à falta de fé ,e esta à insegurança que desperta o egoísmo (como defesa). As excrecências do egoísmo são a vaidade , orgulho , inveja , revolta. E observando ,vamos encontrar como ponto central da mente dos encarnados uma destas excrecências como núcleo motor da personalidade. Se for a rebeldia , a tendência pode ser a depressão.

A taxa de prevalença é de 7 a 17 % e o gene participante é dominante e deve encontrar-se no cromossoma 11 , embora haja uma tendência entre os geneticistas em aceitar como mais provável uma interação poligênica.

TRATAMENTO:

O tratamento deverá ser abrangente , holistico. Para efeito didático , diremos: médico , psicológico , social e principalmente espiritual.

O tratamento médico é imprescindível na fase crítica. O uso de antidepressivos é decisivo para restabelecer a fase aguda. Sabe-se que alguns neurotransmissores estão envolvidos na depressão , tais como: noroadrenalina , serotonina , dopamina e outros. O uso dos antidepressivos estabelece a harmonia químico cerebral , melhorando o humor do paciente . Cuidam simplesmente do efeito , pois os medicamentos não curam a depressão; provavelmente restabelecem o trânsito das mensagens neuronais , melhorando o funcionamento neuroquímico do SNC (sistema nervoso central). A parte orgânica tambem tem que ser cuidada , em especial quando muito acometida. De maneira geral , melhorando o humor , todo o organismo tende a melhorar. Há que ter muito cuidado com os processos depressivos , porque várias afecções mórbidas costumam ganhar expressão no organismo após ou concomitantemente a uma depressão , pois o sistema imunológico é profundamente afetado por ela .

O tratamento psicológico ganha importância pelo fato de auxiliar no auto-conhecimento , nas resoluções de conflitos e tomada de posição diante dos problemas .

A orientação social é necessária em especial naquela porcentagem de deprimidos (20%) que apresentam sequelas profissionais após várias crises. Perdem empregos , família e consideração social , entrando num círculo vicioso agravante de seu problema.

O tratamento espiritual é importantissimo porque o ” espírito é o fundamento da vida”. Quando não valorizamos o tratamento espiritual , os resultados costumam ser precários , as recidivas constantes , com uma tendência ao envelhecimento precoce.Sintetizando, diriamos que com a aquisição do livre-arbítrio , o ser adquiriu o sagrado direito da condução do seu destino. Para que isto ocorresse dentro do espírito de justiça que norteia o cosmos , ele não poderá ser influenciado pelo atavismo biológico e psicológico nas suas primeiras decisões . Não seria justo condenar a quem teve por contingências evolutivas , matar para viver , na cadeia predatória da vida.O conhecimento não nos exime das tendências adquiridas nos processos evolutivos. “Contra nossos anseios de luz , há milênios de trevas”.Por isso, um dia alhures, quando da primeira opção consciente o espírito tinha que ser livre de qualquer influenciação pretérita , para que possamos falar de livre-arbítrio. O grande percalço foi não ter identificado a paternidade Divina , o Amor de seu Pai. Porque uns identificaram e outros não , ainda não sabemos.Por isso a falta de fé está na raiz dos males da humanidade . Diz o evangelho que a fé é a mãe das virtudes , o caminho da redenção.”Que aquele que tem fé acredita mais em seu Criador que em si mesmo.”Como dissemos anteriormente ,a falta de fé levou a insegurança , esta despertou o egoísmo (como defesa) , esta suas excrecências: orgulho-inveja-vaidade-revolta, movido por um destes sentimentos o espírito em evolução na terra optou criando o carma em sua existência.Esta primeira opção criou um clichê mental que passou a influenciar suas futuras decisões.

No deprimido encontramos uma revolta contra o seu Criador. Como não pode destruí-lo , tenta destrui-se , destruindo-o em si. Sua crença é voltada para o negativo , é muito voltado para si e seus males (muito egoísta) . Seduz o mundo com sua dor.É pouco responsável em seus atos (embora pareça o contrario). E tem dificuldade no auto e hetero perdão. É perfeccionista por orgulho e vaidade. Tem convicção no fracasso. Apresenta extrema agressividade voltada para si.Vinga-se de Deus e dos que amam-no. (70% pensam no suicício e de 10 a 15% cometen-no). Vive criando culpa por recapitularem o erro primeiro.É cheio de remorso por bagatelas – muitas doenças são originadas nele ou tem nele seu desenvolvimento acelerado. O deprimido nega-se a viver , dissipa suas energias vitais em ruminações negativas.Os orgãos mais afetados são os pulmões e intestinos. No passado era comum os deprimidos românticos morrerem de tuberculose. Os pulmões captam os fluidos vitais solares e os intestinos absorvem os alimentos e excretam as escorias.

O centro de força mais afetado é o umbilical por ser o centro das emoções. A depressão é a tristeza deteriorada. O duplo etérico é gravemente acometido apresentando dificuldades em fazer circular as energias necessárias à vida. A áurea é acizentada demonstrando uma existência sem vida.

No tratamento temos que orientar para a respiração a longos haustos(exercícios respiratórios) ,melhorando a captação da vitalidade e dissolvendo as energias negativas. Alimentação que estimule o bom funcionamento dos intestinos , tais como frutas,verduras, banhos de sol em horários convenientes, evitar alcoolicos , fumos e excessos de carne. Passes fluidicos nos centros de forças genésico,esplênico e gástrico.

Fazer exercícios fisicos como caminhadas,natação e outros salutares. Exercitar a mente de maneira consciente para olhar o lado bom das pessoas e das cousas. Fazer meditação , relaxamento e pequenas tarefas em favor dos semelhantes(sair de si). Buscar melhor convivência familiar e no trabalho , desenvolvendo o sentimento de gratidão com as pessoas , com a vida , com o Criador. Cultivar a oração regularmente restabelecendo a comunhão com Deus , o hábito de leituras nobres , melhorando o padrão vibratório e estimulando o sentimento de esperança.

Não podemos esquecer das obsessões espirituais que têm nos deprimidos fértil terreno para o seu acentamento.
Finalizamos com o Senhor Jesus , o médico de nossas almas , quando nos convidou ao caminho de retorno ao seio do Pai com o “VINDE A MIM , TODOS OS QUE ESTAIS CANSADOS E OPRIMIDOS , E EU VOS ALIVIAREI. TOMAI SOBRE VÓS O MEU JUGO , E APRENDEI DE MIM , QUE SOU MANSO E HUMILDE DE CORAÇÃO ; E ENCONTRAREIS DESCANSO PARA AS VOSSAS ALMAS. PORQUE O MEU JUGO É SUAVE E O MEU FARDO É LEVE.” (Mateus , 11:28 A 30)

VOLTAR


CONSIDERANDO O MEDO
Joanna de Ângelis/Divaldo Pereira Franco

Coisa alguma se te afigure apavoradora.

A vida são as esperiências vitoriosas ou não, que te ensejem aquisições para o equilibrio e a sabedoria.

Não sofras, portanto, por antecipação, nem permitas que o fantasma do medo te perturbe o discernimento ante os cometimentos uteis, ou te assuste, gerando perturbação e receio injustificado.

Quando tememos algo, deixamo-nos dominar por forças desconhecidas da personalidade, que instalam lamentaveis processos de distonia nervosa, avançando para o desarranjo mental.

Os acontecimentos são conforme ocorrem e como tal devem ser enfrentados.

O medo avulta os contornos dos fatos, tornando-os falsos e exagerando-lhes a significação.

Predispõe mal, desgasta as forças e conduz a situação prejudicial sob qualquer aspecto se considere.

O que se teme, raramente ocorre como se espera, mesmo porque as interferencias Divinas sempre atenuam as dores, até quando não são solicitadas.

O medo invalida a ação benefica da prece, esparze pessimismo, precipita em abismos.

Um fato examinado sob a constrição do medo, descaracteriza-se, um conceito soa falso, um socorro não atinge com segurança.

A pessoa com medo, agride ou foge, exagera ou se exime da iniciativa feliz, torna-se dificil de ser ajudada e contamina, muitas vezes, outras menos robustas na convicção interna, desesperando-as, tambem.

O medo pode ser comparado a sombra que altera e dificulta a visão real.

Necessario combate-lo sistematicamente, continuamente.

Doenças, problemas, noticias, viagens, revoluções, o porvir não os temas.

Nunca serão conforme supões.

Uma atitude calma, ajuda a tomada de posição para qualquer ocorrencia aguardada ou que surge inesperadamente.

Não são piores umas enfermidades do que outras. Todas fazem sofrer, especialmente quando se as teme e não se encoraja a recebe-las com elevada posição de confiança em Deus.

Os problemas, constituem recursos de que a vida dispõe para selecionar os valores humanos, e eleger os verdadeiros dos falsos lutadores.

As noticias trazem informes que, sejam tragicos ou lenificadores, não modificam, senão, a estrutura de uma irrealidade que se está a viver.

As viagens tem o seu final, e recear acidentes, aguardá-los, exagerar providências, certamente não impedem que o homem seja bem ou mal sucedido.

As revoluções e guerras que alcançam bons e maus, estão em relação a violência do proprio homem que, vencido pelo egoísmo, explode em agressividade, graças aos sentimentos predominantes em a sua natureza animal.

Ninguem pode prever o imprevisto ou evadir-se a necessaria conjuntura carmica para o acerto com as leis superiores da evolução.

Prudência, sim, é medida acautelatoria e impostergável, para se evitar danos inecessarios.

Afinal, em face do medo, deve-se considerar que o pior que pode susceder a alguém, é advir a desencarnação. Se tal ocorrer, não há, ainda, porque temer, desde que morrer é viver.

O único cuidado que convém examinar, diz respeito a situação interior de cada um perante a consciencia, ao proximo, a vida e a Deus.

Em face disso, ao inves de sistematico cultivo do medo, uma disposição de trabalho arduo e intimorato, confiança em Deus, afim de enfrentar bem e ultimamente toda e qualquer coisa, fato, ocorrencia, desdita…

Entregate ao fervor do bem expulsa dalma as artimanhas da inferioridade espiritual. Faze luz íntima e os receios fundados baterão em retirada.

A responsabilidade dar-te-á motivos para preocupações, enquanto o medo minimizará as tuas propabilidades de exito.
Jesus, culminando a tarefa de construir no tibios corações humanos a ventura e a paz, açodado pelos famanazes da loucura em ambos os lados da vida, inocente e pulcro, não temeu nem se afligiu, ensinando como deve ser a atitude de todos nós, em relação ao que nos acontece e de que necessitamos para atingir a glorificação interior.” (Mensagem extraida da obra “Leis Morais da Vida”)

voltar


DEPRESSÃO E ATENDIMENTO MEDIÚNICO
Mauro Quintela

Segundo o terapeuta americano Alexander Lowen, existem evidências de que os seres humanos estão sendo vítimas de perigosa “epidemia de depressão”/1.

O fato já pode ser sentido em nosso dia-a-dia, pelo aumento da quantidade de matérias, estudos, eventos e livros sobre o assunto. E, principalmente, através de nosso contato direto com o número, sempre crescente, de amigos e conhecidos que vivenciaram ou estão vivenciando o problema: sofrida crise de angústia, desencadeada por algum acontecimento desagradável ou situação estressante e retroalimentada por sucessivos surtos de medo, ansiedade, pânico, tristeza, indiferença e autodestruição.

Estado sempre acompanhado de dolorosas consequências orgânicas, como insônia, anorexia, impotência, frigidez, diarréia, agitação motora, gastrite, etc. Nos Centros Espíritas também já é possível perceber a virulência dessa epidemia psíquica, pois grande parte do pessoal que está procurando assistência mediúnica queixa-se de sintomas depressivos.

Essa constatação reveste-se de maior gravidade quando lembramos que a depressão é, tecnicamente falando, uma porta aberta ao suicídio/2. Como estamos em plena CAMPANHA “EM DEFESA DA VIDA”, deflagrada pelo Conselho Federativo Nacional da Federação Espírita Brasileira, acreditamos que esse fato merece acurada reflexão, para que nossa prática esteja em consonância com o discurso.
***

Pelo que temos verificado, em nosso contato direto com o Movimento Espírita, muitas instituições não estão conseguindo dar uma ajuda eficiente a essa nova e angustiada clientela.

Os motivos são vários e, como é natural, refletem o desconhecimento ou distanciamento da lógica kardequiana.

O primeiro equívoco é achar que a síndrome se limita a um simples problema de influenciação espiritual negativa, bastando afastar o dito obsessor para que o paciente retorne à normalidade. Embora o fator extrafísico realmente esteja presente em 95% (noventa e cinco por cento) dos casos/3, quase nunca ele é a causa isolada do desequilíbrio, já que a tendência depressiva é uma neurose e, como tal, encontra-se enraizada no psiquismo do doente, podendo manifestar-se exteriormente em uma ou várias crises/4.

Decorrente de trauma de infância, de vidas passadas, ou o que é mais comum, de ambas, tal distonia muitas vezes requer tratamento psicoterápico específico, junto a profissionais gabaritados (de preferência espiritualistas), para que o amparo mediúnico encontre respaldo em outras medidas terapêuticas.

Dentre essas, no âmbito do Centro Espírita, encontram-se também as reuniões de passes, palestras públicas, estudo sistematizado da Doutrina e assistência social, já que todas elas ajudam a pessoa a recompor suas energias. Para o trabalho de desobsessão muita vez é suficiente a remessa do nome do indivíduo e seu respectivo endereço.

Esse modelo de tratamento global para as enfermidades espirituais não é novo. Foi proposto por Allan Kardec em 1868:

“Assim como as enfermidades resultam das imperfeições físicas que tornam o corpo acessível às perniciosas influências exteriores, a obsessão decorre sempre de uma imperfeição moral, que dá ascendência a um Espírito mau. A uma causa física, opõe-se uma força física; a uma causa moral preciso é se contraponha uma força moral. Para preservá-lo das enfermidades, fortifica-se o corpo; para garanti-la contra a obsessão, tem-se que fortalecer a alma; donde, para o obsediado, a necessidade de trabalhar por se melhorar a si próprio, o que as mais das vezes basta para livrá-lo do obsessor, sem o socorro de terceiros.”/5

É isso exatamente o que muitas instituições não fazem, deixando de recomendar tratamento médico e psicológico paralelo e, praticamente, prometendo a cura do sujeito após um determinado número de sessões de des(?)obsessão.

As palestras públicas são indicadas, mas a recomendação não raro deixa a impressão de que elas são o preço a pagar pela ajuda dos Espíritos. O amor e o fascínio pelo potencial terapêutico da Filosofia Espírita nem sempre estão presentes, nos olhos do atendente, por vezes mais preocupado no controle das atividades em andamento.

O mais grave nessa história é que inúmeros grupos exigem a presença do doente nos trabalhos de desobsessão. Se tal medida é genericamente desaconselhável, só sendo admitida em situações muito dramáticas e urgentes/6 , no caso de deprimidos ela é terrivelmente negativa, constituindo-se em mais uma agressão à já combalida integridade psíquica dos assistidos. Como lembra o Espírito André Luiz,

“o contato com os comunicantes, menos felizes ou francamente conturbados, sem a devida preparação, é sempre inconveniente ou prejudicial, pela suscetibilidade e pelas sugestões negativas que apresentam(…)”. /7
Sendo a desesperança uma das características mais marcantes da depressão, o enfermo pode sair da reunião ainda mais desequilibrado do que entrou, ao saber que, além de suas dolorosas sensações, ele possui impiedosos perseguidores invisíveis, situados no Além-túmulo. ***

Por isso é que o médium e orador Divaldo Pereira Franco foi tão taxativo quando os companheiros da Bahia lhe perguntaram o que achava do “comportamento de dirigentes que levam pessoas obsidiadas diretamente às reuniões mediúnicas para tratamento”:

“Peço licença para usar um conceito forte: é um comportamento leviano, porque de desrespeito pelo doente.

(…) imaginemos o risco em levar uma pessoa portadora de alienação, que não sabemos especificamente o que é, a uma reunião mediúnica. (…) Imaginemos que seja um fenômeno autêntico de obsessão. (…) Alguém entra em transe. E o obsessor o incorpora dizendo verdades amargas, para as quais o paciente não está preparado. O doente que está receptivo assimila as ameaças. Sai dali mais apavorado, e fixado. É o que o obsessor quer, com esta conquista, levando-o ao suicídio.

Tenho visto nesta área cenas dolorosas.(…)

(…)tenhamos muito cuidado com a cabeça dos outros. Departamento mental é setor muito delicado na vida humana. Pessoas fixam, às vezes, uma palavra, uma frase e fazem uma paranóia terrível. É de bom alvitre não se leve, pois, o paciente a reuniões práticas. Se a pessoa tem certeza de que ele está enfermo mediunicamente, deixe-o numa sala contígua e realize o trabalho próximo. Os mentores é que farão a conexão espiritual, e não nós. (…) Antes de tudo, que a nossa preocupação seja a de moralizá-lo, porque assim ele se libertará da obsessão. Moralizado ficará bom.

(…) Daí, a primeira terapia para cura de problemas é a da transformação moral do paciente, com esforço de um e ajuda de todos.”/8

Os partidários da “desobsessão de corpo presente” dirão que vários casos, tratados por esse sistema, obtiveram resultados positivos.

Isso acontece porque os Espíritos Superiores procuram superar os obstáculos que nós – por ignorância dos melhores métodos, mas imbuídos das melhores intenções – colocamos à sua ação ideal. O problema é que eles nem sempre conseguem sobrepujar nossas deficiências e a quantidade de insucessos acaba se tornando maior do que a de êxitos. Basta fazer uma estatística nos Centros. E a responsabilidade por esse quadro é nossa! Afinal, não se justifica tanta insipiência quando temos as obras básicas de Allan Kardec, os livros complementares dos seus continuadores, e os subsidiários de Chico Xavier, Yvonne Pereira e Divaldo Franco à disposição. Só se for teimosia…

1 – “Corpo em Depressão”, pág. 164, Summus Editorial. O Jornal do Brasil, de 03—4-94, afirma que 100.000.000 (cem milhões) de indivíduos sofrem da doença em todo o mundo.

2 – Segundo a mesma reportagem do JB, a depressão é a principal causa dos autocídios.

3 – “Tem-se observado na maioria das doenças mentais, dos mais leves e inexpressivos sintomas às mais severas demarcações, conotações de caráter espiritual.” “Será sempre difícil dizer até onde existe uma doença mental e um processo obsessivo espiritual, absolutamente separados uma do outro; a associação será a tônica predominante.” – Jorge Andréa, “Visão Espírita das Distonias Mentais”, págs. 114/115, 3ª ed. FEB – 1990.

4 – Na literatura espírita, existe uma excelente página sobre o assunto no livro “Receitas de Paz”, de Joanna de Ângelis/Divaldo Franco, intitulada Depressão. LEAL.

5 – “A Gênese”, Allan Kardec, pág. 305, 35ª ed. FEB.

6 – “Desobsessão”, André Luiz/Francisco C. Xavier, Capítulo Chegada Inesperada de Doente, págs. 95 e 96 14ª ed. FEB.

7 – Idem.

8 – “Palavras de Luz”, págs. 74 a 79, 1ª ed. FEEB – 1993. (Texto extraído da Revista Reformador )

Anúncios

Sobre aricarrasco

sou simples mas co objetivos e convicções definidos.
Esse post foi publicado em Espiritismo. Bookmark o link permanente.

2 respostas para Sindrome do Pânico

  1. Cyro Masci disse:

    Ola, peço a gentileza de corrigir meu site para http://www.masci.com.br e meu email para cyro@masci.com.br nos artigos sobre pânico e ansiedade. Grato. Cyro Masci.

    • aricarrasco disse:

      Olá , Dr. Cyro , foi devidamente corrigido , obrigado pelo alerta , este espaço esta aberto para o amigo , pois seu conhecimento e ensinamentos , tem grande importância para toda sociedade.

      Desejo ao amigo um ano de sucesso , paz alegria , junto aos seus familiares.

      Obrigado , Ari Carrasco Silveira.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s